sexta-feira, 30 de junho de 2017

antes verde agora roxo # xaile de Verão

sexta-feira, 30 de junho de 2017

.
Esta foto tirei-a no passado fim-de-semana, quando fomos uns dias à rulote. Peguei no xaile para fazer as carreiras finais e fiz, mas tive de desmanchar tudo, acontece-me vezes sem conta. É o que faz estar a crochetar e a pensar noutras coisas. Pumba! Toca a desmanchar um bom pedaço e a fazer tudo outra vez. Já está, ei-lo terminado.





 .
E do verde seco, lembram-se? Podem vê-lo melhor aqui.
Vejam como são giros ao lado um do outro.

.
Gosto tanto deles. E vocês, de qual gostam mais?
Tenham um excelente fim-de-semana.


Até já
Ana Lado B


sexta-feira, 23 de junho de 2017

Verão e São João

sexta-feira, 23 de junho de 2017
.
Ui, já não tinha uma semana mete nojo há muito tempo. Que neura que esta foi, irra!!!
Mas dei a semana como terminada ao início da tarde de hoje. Depois de uma valente manhã de trabalho, cheguei a casa muito determinada e comecei a organizar a tralha para irmos passar o fim-de-semana fora. Preciso de viver momentos divertidos na companhia dos que tanto gosto. E a melhor parte é que cá em casa estamos todos em sintonia, por favor tirem-nos destas quatro paredes, queremos ir brincar ao Verão! E é isso mesmo que vamos fazer. Angeiras, espera por nós, não tarda nada e estamos aí! YES!!! Vamos comer sardinhas, pimentos, broa e caldo verde no nosso estaminé, ouvir música foleira até altas horas da noite e divertirmo-nos que nem uns tolos. Vai fazer-nos muito bem, estamos muito a precisar de desligar o botão e dar lugar à nossa abertura oficial da época de veraneio. E agora uma curiosidade. Embora eu tenha saído de Almada há já quase vinte anos e desde logo me tenha apercebido que os hábitos e costumes das terras altas são bem diferentes dos das terras do sul, houve sempre uma data que uniu (na minha cabeça) esses dois distintos lados. É que tanto no Porto como em Almada se festeja o mesmo santo popular, o São João. Não sei, mas neste dia acabo sempre por me sentir mais perto dos da minha margem... aquela que fica a sul.
Bom São João e um excelente fim-de-semana a TODOS!


Até já
Ana Lado B


segunda-feira, 19 de junho de 2017

a besta nunca desiste

segunda-feira, 19 de junho de 2017

fonte
Que dizer?... nem sei. Impotência. Tristeza, muita tristeza. Revolta, muita. Há décadas que se ouve promessas de mais meios, de mais prevenção, de planos de reflorestação, de ordenamento, muito blá, blá, blá e depois isto, sempre isto. Todos os anos isto! E a besta lavra cada vez mais voraz, sem dó nem piedade, suga tudo à sua frente, faminta e sempre insatisfeita. Ontem, hoje e amanhã, as promessas voltam à tona. Mas os dias vão passar e depois como é, vai ficar tudo na mesma!?...  vão continuar a ajudar a besta a caminhar livre e sofregamente... ela nunca desiste e irá sempre rejubilar-se com a desistência constante de quem promete e nada faz.
Abraço profundo a quem perdeu os seus entes queridos, a quem perdeu os ganhos de uma vida e a todos os que no terreno fazem frente à grande besta.



Até já
Ana Lado B


sexta-feira, 16 de junho de 2017

dois dedos de mim

sexta-feira, 16 de junho de 2017
.
Tenho andado a mil à hora com o meu Lado A!!! É altura, é sempre assim quando o Verão se aproxima. Óbvio que por causa disso mesmo não tenho tido o tempo que gostava para estar por aqui convosco, ou para dar às agulhas. Mas não há problema, porque embora Junho seja sempre aquele mês em que tudo acontece ao mesmo tempo, seguem-se meses em que estarei mais descontraída e com tempo para dedicar ao meu Lado B. Sabem, a verdade é que apesar de não trazer nada para vos mostrar, nem trabalhos acabados, nem cores novas para adorar, nem quintais com plantas e plantinhas, nem campismos e retiros, nem... nada, o certo é que senti uma vontade enorme de falar convosco. Há dias em que apetece virar a página e hoje senti aquela vontade de vir aqui e revelar-vos um pouco mais sobre mim. E assim, aleatoriamente e de repente (!) aqui vai. Não gosto de estar perto de pessoas com tendências depressivas, de pessoas verborreicas, de pessoas tendenciosas, de pessoas sem qualquer sentido de humor, de pessoas brutas, de pessoas frias, de pessoas conflituosas, de pessoas mentirosas, de pessoas aproveitadoras e interesseiras. Gosto muito de estar perto de quem gosta de mim, de quem amo, de quem admiro, de quem me faz bem, de quem tem um bom sentido de humor, de quem se sente feliz e me faz feliz, de quem é simpático, generoso, justo, integro, cordial e verdadeiro. Gosto de viver sem regras, sem preconceitos, sem obrigações nem imposições, sem horas marcadas para tudo, sem listas infindáveis do que devia ter feito e ainda não fiz, sem pessoas a ditar-me ordens, sem gente sem escrúpulos, sem gente medíocre, egoísta, fundamentalista, bacoca, conservadora e puritana. Tirem-mos da frente! Ah, e também não gosto da burocracia, aliás, odeio-a. Gosto muito de estar à mesa com os meus amigos e com a minha querida família, gosto de viajar, de conhecer, de viver novas experiências. Gosto de ser ateia e gosto de respeitar quem não o é. Gosto que me respeitem. Gosto de ser livre, gosto do silêncio, gosto do campo, do cheiro do mar, do cheiro do café acabado de fazer e do cheiro da roupa lavada e tenho muitas saudades do cheiro dos meus filhos quando eram bebés. Não gosto de arrumar, limpar, esfregar ou engomar, mas sou incapaz de viver num espaço desarrumado, sujo e desorganizado, por isso faço tudo o resto que disse não gostar de fazer, mas sabe-me bem quando está feito e posso usufruir do que fiz. Gosto muito de cozinhar, mas não gosto de fazer bolos e sobremesas. Gosto de os comer, mas gosto mais de salgados. Não gosto de dormir à tarde, nem mesmo quando estou de férias, mas gosto de me esquecer do tempo enquanto mergulho num livro. Gostava de ler mais, já li muito, agora leio menos. Gosto muito de ir ao teatro, dispenso idas ao cinema, mas também gosto de cinema. Gosto de escrever, mas não escrevo como gostaria de escrever. Gosto muito da minha casa, mas não gosto do barulho dos pés dos vizinhos de cima. Gosto de conversar, adoro ouvir. Gosto de cores, de conforto, de dar e receber mimos. Gosto de lãs, fios, agulhas e afins. Não gosto de biblots nem de guardar objectos que nada me dizem. Gosto muito de plantas, de mexer na terra, e gosto muito de bichos e bicharocos, menos de alguns insectos... esses causam-me arrepios. Adoro a minha Helga (a cadela) e as minhas gatas, mas não gosto do lixo que fazem. Não gosto de mudar a areia aos gatos. Passo. Não gosto de dar banho ao cão. Passo. Não gosto de arrumar a cozinha. Passo. Não gosto de despejar a reciclagem nem de levar o lixo à rua. Passo. Gosto muito do meu companheiro, que preenche estas minhas lacunas. Gosto muito dele, por tudo o que é e pelo que me faz sentir. Gosto de amar incondicionalmente. Sou romântica mas nem sempre gosto de romantismos. Não tolero a mentira nem a desonestidade. Não tenho paciência para a futilidade nem para a exacerbação da vaidade. Gosto do que me faz bem aos olhos. Gosto de me sentir feliz. Gosto de receber flores, beijos e abraços. Gosto de estar aqui. Gosto de sentir que há gente que está aqui. Gosto de ser mãe das três criaturas mais adoráveis do universo e mais além. Uma delas fez ontem vinte e cinco anos. Gosto de a ver feliz. Gosto das memórias que o tempo me vai deixando. Gosto de viver e de sonhar e não gosto que me impeçam de o fazer.


Até já
Ana Lado B


segunda-feira, 5 de junho de 2017

um Xaile... outro Xaile...

segunda-feira, 5 de junho de 2017
Verde, cor que atrai os meus olhos. Gosto de quase todos os tons de verde, mas o meu preferido para vestir é o verde seco. Toda a vida o usei e tenho que dizer que me sinto muito agradada pelo facto de ser uma das tendências deste ano. Não que me preocupe em andar na moda, de todo, mas também não sou do género eu visto uma coisinha qualquer e já está, nada disso. Gosto de me sentir bem com a minha imagem e só compro uma peça de roupa quando gosto mesmo dela, para ter a certeza de que não me vou cansar. Mas, obviamente que a perfeição não existe e portanto também tenho daqueles dias em que chego à conclusão de que não tenho roupa de jeito para vestir!!! e fico deprimida com o assunto. Repare-seroupa que até ao dia anterior era perfeita, linda e adorável. Pronto, nada a fazer, são os chamados dias da neura e foi precisamente num desses dias que concluí que se tivesse um xaile verde seco tudo mudaria e aquelas calças mais aquela blusa já iam ficar mesmo bem...
Bom, a neura lá passou e os meus olhos voltaram a ver coisas bonitas no roupeiro. Mas o xaile que imaginei ter naquele outro momento não me saiu da cabeça e não descansei enquanto não encontrei um fio na cor pretendida.






.
Tenho várias razões para gostar muito deste xaile de Verão: o fio é excelente, um algodão da Brancal; adoro o ponto usado; dá-me gozo crochetar este ponto; a peça tem um bom cair e adapta-se muito bem às várias formas que gosto de dar a um xaile quando o uso. Posto isto, que decidi fazer? Outro xaile! igual mas noutra cor que também gosto muito de vestir, roxo. Com certeza que de futuro me irá salvar de um daqueles dias da neura.
.
E agora xailes à parte, aqui fica um pequeno momento. Hoje assinalou-se o dia mundial do ambiente e quero muito deixar um apelo aos mais distraídos ou quiçá mais preguiçosos para "estas coisas". Dêem o vosso melhor para proteger o ambiente, não é só o planeta que agradece, aliás esse sabe libertar-se do que o incomoda e sem aviso prévio, pura e simplesmente "limpa" o que está a mais. O maior beneficiário da protecção do ambiente somos cada um de nós e as gerações vindouras. Para reduzirmos a nossa pegada ecológica não é necessário recorrer a extremos, apenas precisamos de gestos simples no nosso dia a dia, pequenos hábitos que vamos adquirindo por insistência e que com o tempo acabam por ser inatos, não custa nada. Por exemplo, não ligar luzes que não façam falta, não deixar aparelhos ligados quando não estão a ser necessários, não querer ter aparelhos eléctricos para tudo e mais alguma coisa, usar lâmpadas de baixo consumo, não desperdiçar água (quando acampo nem imaginam os disparates a que assisto na zona dos lava-loiça, um gasto de água descontrolado para lavarem meia dúzia de pratos e copos. Fico revoltada, aquela quantidade de água daria para fazer dez lavagens da mesma loiça!!!), fechar as torneiras quando no banho chega o momento de usar o champô, o amaciador ou o gel de banho,  não usar um saco de plástico por cada qualidade de legume ou fruta que compramos (eles não se zangam por viajar juntinhos) e o ideal é nem sequer usar sacos de plástico, reciclar tudo o que for possível de ser reciclado, comer com consciência, não há problema em comermos de tudo desde que com moderação e conscientes daquilo que estamos a comprar, um cuidado que zela pelo ambiente e pela saúde do nosso corpo. Podia continuar a enumerar, mas o referido é já um começo ao contributo para diminuirmos a nossa pegada.
Ah, e por falar em reciclagem, o cabide de quarto que usei para as fotos do xaile veio de casa dos meus pais, é muito antigo, há décadas que ampara as roupas da família. E é lindo, gosto dele com as marcas do tempo. Seria incapaz de retirá-las.
Tenham uma grande semana e sejam felizes


Até já
Ana Lado B


Faz bem aos olhos | Crochet - Crafts - Lifestyle © 2014