sexta-feira, 23 de junho de 2017

Verão e São João

sexta-feira, 23 de junho de 2017
.
Ui, já não tinha uma semana mete nojo há muito tempo. Que neura que esta foi, irra!!!
Mas dei a semana como terminada ao início da tarde de hoje. Depois de uma valente manhã de trabalho, cheguei a casa muito determinada e comecei a organizar a tralha para irmos passar o fim-de-semana fora. Preciso de viver momentos divertidos na companhia dos que tanto gosto. E a melhor parte é que cá em casa estamos todos em sintonia, por favor tirem-nos destas quatro paredes, queremos ir brincar ao Verão! E é isso mesmo que vamos fazer. Angeiras, espera por nós, não tarda nada e estamos aí! YES!!! Vamos comer sardinhas, pimentos, broa e caldo verde no nosso estaminé, ouvir música foleira até altas horas da noite e divertirmo-nos que nem uns tolos. Vai fazer-nos muito bem, estamos muito a precisar de desligar o botão e dar lugar à nossa abertura oficial da época de veraneio. E agora uma curiosidade. Embora eu tenha saído de Almada há já quase vinte anos e desde logo me tenha apercebido que os hábitos e costumes das terras altas são bem diferentes dos das terras do sul, houve sempre uma data que uniu (na minha cabeça) esses dois distintos lados. É que tanto no Porto como em Almada se festeja o mesmo santo popular, o São João. Não sei, mas neste dia acabo sempre por me sentir mais perto dos da minha margem... aquela que fica a sul.
Bom São João e um excelente fim-de-semana a TODOS!


Até já
Ana Lado B


segunda-feira, 19 de junho de 2017

a besta nunca desiste

segunda-feira, 19 de junho de 2017

fonte
Que dizer?... nem sei. Impotência. Tristeza, muita tristeza. Revolta, muita. Há décadas que se ouve promessas de mais meios, de mais prevenção, de planos de reflorestação, de ordenamento, muito blá, blá, blá e depois isto, sempre isto. Todos os anos isto! E a besta lavra cada vez mais voraz, sem dó nem piedade, suga tudo à sua frente, faminta e sempre insatisfeita. Ontem, hoje e amanhã, as promessas voltam à tona. Mas os dias vão passar e depois como é, vai ficar tudo na mesma!?...  vão continuar a ajudar a besta a caminhar livre e sofregamente... ela nunca desiste e irá sempre rejubilar-se com a desistência constante de quem promete e nada faz.
Abraço profundo a quem perdeu os seus entes queridos, a quem perdeu os ganhos de uma vida e a todos os que no terreno fazem frente à grande besta.



Até já
Ana Lado B


sexta-feira, 16 de junho de 2017

dois dedos de mim

sexta-feira, 16 de junho de 2017
.
Tenho andado a mil à hora com o meu Lado A!!! É altura, é sempre assim quando o Verão se aproxima. Óbvio que por causa disso mesmo não tenho tido o tempo que gostava para estar por aqui convosco, ou para dar às agulhas. Mas não há problema, porque embora Junho seja sempre aquele mês em que tudo acontece ao mesmo tempo, seguem-se meses em que estarei mais descontraída e com tempo para dedicar ao meu Lado B. Sabem, a verdade é que apesar de não trazer nada para vos mostrar, nem trabalhos acabados, nem cores novas para adorar, nem quintais com plantas e plantinhas, nem campismos e retiros, nem... nada, o certo é que senti uma vontade enorme de falar convosco. Há dias em que apetece virar a página e hoje senti aquela vontade de vir aqui e revelar-vos um pouco mais sobre mim. E assim, aleatoriamente e de repente (!) aqui vai. Não gosto de estar perto de pessoas com tendências depressivas, de pessoas verborreicas, de pessoas tendenciosas, de pessoas sem qualquer sentido de humor, de pessoas brutas, de pessoas frias, de pessoas conflituosas, de pessoas mentirosas, de pessoas aproveitadoras e interesseiras. Gosto muito de estar perto de quem gosta de mim, de quem amo, de quem admiro, de quem me faz bem, de quem tem um bom sentido de humor, de quem se sente feliz e me faz feliz, de quem é simpático, generoso, justo, integro, cordial e verdadeiro. Gosto de viver sem regras, sem preconceitos, sem obrigações nem imposições, sem horas marcadas para tudo, sem listas infindáveis do que devia ter feito e ainda não fiz, sem pessoas a ditar-me ordens, sem gente sem escrúpulos, sem gente medíocre, egoísta, fundamentalista, bacoca, conservadora e puritana. Tirem-mos da frente! Ah, e também não gosto da burocracia, aliás, odeio-a. Gosto muito de estar à mesa com os meus amigos e com a minha querida família, gosto de viajar, de conhecer, de viver novas experiências. Gosto de ser ateia e gosto de respeitar quem não o é. Gosto que me respeitem. Gosto de ser livre, gosto do silêncio, gosto do campo, do cheiro do mar, do cheiro do café acabado de fazer e do cheiro da roupa lavada e tenho muitas saudades do cheiro dos meus filhos quando eram bebés. Não gosto de arrumar, limpar, esfregar ou engomar, mas sou incapaz de viver num espaço desarrumado, sujo e desorganizado, por isso faço tudo o resto que disse não gostar de fazer, mas sabe-me bem quando está feito e posso usufruir do que fiz. Gosto muito de cozinhar, mas não gosto de fazer bolos e sobremesas. Gosto de os comer, mas gosto mais de salgados. Não gosto de dormir à tarde, nem mesmo quando estou de férias, mas gosto de me esquecer do tempo enquanto mergulho num livro. Gostava de ler mais, já li muito, agora leio menos. Gosto muito de ir ao teatro, dispenso idas ao cinema, mas também gosto de cinema. Gosto de escrever, mas não escrevo como gostaria de escrever. Gosto muito da minha casa, mas não gosto do barulho dos pés dos vizinhos de cima. Gosto de conversar, adoro ouvir. Gosto de cores, de conforto, de dar e receber mimos. Gosto de lãs, fios, agulhas e afins. Não gosto de biblots nem de guardar objectos que nada me dizem. Gosto muito de plantas, de mexer na terra, e gosto muito de bichos e bicharocos, menos de alguns insectos... esses causam-me arrepios. Adoro a minha Helga (a cadela) e as minhas gatas, mas não gosto do lixo que fazem. Não gosto de mudar a areia aos gatos. Passo. Não gosto de dar banho ao cão. Passo. Não gosto de arrumar a cozinha. Passo. Não gosto de despejar a reciclagem nem de levar o lixo à rua. Passo. Gosto muito do meu companheiro, que preenche estas minhas lacunas. Gosto muito dele, por tudo o que é e pelo que me faz sentir. Gosto de amar incondicionalmente. Sou romântica mas nem sempre gosto de romantismos. Não tolero a mentira nem a desonestidade. Não tenho paciência para a futilidade nem para a exacerbação da vaidade. Gosto do que me faz bem aos olhos. Gosto de me sentir feliz. Gosto de receber flores, beijos e abraços. Gosto de estar aqui. Gosto de sentir que há gente que está aqui. Gosto de ser mãe das três criaturas mais adoráveis do universo e mais além. Uma delas fez ontem vinte e cinco anos. Gosto de a ver feliz. Gosto das memórias que o tempo me vai deixando. Gosto de viver e de sonhar e não gosto que me impeçam de o fazer.


Até já
Ana Lado B


segunda-feira, 5 de junho de 2017

um Xaile... outro Xaile...

segunda-feira, 5 de junho de 2017
Verde, cor que atrai os meus olhos. Gosto de quase todos os tons de verde, mas o meu preferido para vestir é o verde seco. Toda a vida o usei e tenho que dizer que me sinto muito agradada pelo facto de ser uma das tendências deste ano. Não que me preocupe em andar na moda, de todo, mas também não sou do género eu visto uma coisinha qualquer e já está, nada disso. Gosto de me sentir bem com a minha imagem e só compro uma peça de roupa quando gosto mesmo dela, para ter a certeza de que não me vou cansar. Mas, obviamente que a perfeição não existe e portanto também tenho daqueles dias em que chego à conclusão de que não tenho roupa de jeito para vestir!!! e fico deprimida com o assunto. Repare-seroupa que até ao dia anterior era perfeita, linda e adorável. Pronto, nada a fazer, são os chamados dias da neura e foi precisamente num desses dias que concluí que se tivesse um xaile verde seco tudo mudaria e aquelas calças mais aquela blusa já iam ficar mesmo bem...
Bom, a neura lá passou e os meus olhos voltaram a ver coisas bonitas no roupeiro. Mas o xaile que imaginei ter naquele outro momento não me saiu da cabeça e não descansei enquanto não encontrei um fio na cor pretendida.






.
Tenho várias razões para gostar muito deste xaile de Verão: o fio é excelente, um algodão da Brancal; adoro o ponto usado; dá-me gozo crochetar este ponto; a peça tem um bom cair e adapta-se muito bem às várias formas que gosto de dar a um xaile quando o uso. Posto isto, que decidi fazer? Outro xaile! igual mas noutra cor que também gosto muito de vestir, roxo. Com certeza que de futuro me irá salvar de um daqueles dias da neura.
.
E agora xailes à parte, aqui fica um pequeno momento. Hoje assinalou-se o dia mundial do ambiente e quero muito deixar um apelo aos mais distraídos ou quiçá mais preguiçosos para "estas coisas". Dêem o vosso melhor para proteger o ambiente, não é só o planeta que agradece, aliás esse sabe libertar-se do que o incomoda e sem aviso prévio, pura e simplesmente "limpa" o que está a mais. O maior beneficiário da protecção do ambiente somos cada um de nós e as gerações vindouras. Para reduzirmos a nossa pegada ecológica não é necessário recorrer a extremos, apenas precisamos de gestos simples no nosso dia a dia, pequenos hábitos que vamos adquirindo por insistência e que com o tempo acabam por ser inatos, não custa nada. Por exemplo, não ligar luzes que não façam falta, não deixar aparelhos ligados quando não estão a ser necessários, não querer ter aparelhos eléctricos para tudo e mais alguma coisa, usar lâmpadas de baixo consumo, não desperdiçar água (quando acampo nem imaginam os disparates a que assisto na zona dos lava-loiça, um gasto de água descontrolado para lavarem meia dúzia de pratos e copos. Fico revoltada, aquela quantidade de água daria para fazer dez lavagens da mesma loiça!!!), fechar as torneiras quando no banho chega o momento de usar o champô, o amaciador ou o gel de banho,  não usar um saco de plástico por cada qualidade de legume ou fruta que compramos (eles não se zangam por viajar juntinhos) e o ideal é nem sequer usar sacos de plástico, reciclar tudo o que for possível de ser reciclado, comer com consciência, não há problema em comermos de tudo desde que com moderação e conscientes daquilo que estamos a comprar, um cuidado que zela pelo ambiente e pela saúde do nosso corpo. Podia continuar a enumerar, mas o referido é já um começo ao contributo para diminuirmos a nossa pegada.
Ah, e por falar em reciclagem, o cabide de quarto que usei para as fotos do xaile veio de casa dos meus pais, é muito antigo, há décadas que ampara as roupas da família. E é lindo, gosto dele com as marcas do tempo. Seria incapaz de retirá-las.
Tenham uma grande semana e sejam felizes


Até já
Ana Lado B


domingo, 28 de maio de 2017

Memo # dos dias que passam

domingo, 28 de maio de 2017
O sol decidiu virar-nos costas nesta última semana. Os jardins voltaram a sentir o cheiro a terra molhada e o verde que os veste voltou a explodir frondoso. Os passeios ao ar livre planeados para o fim de semana foram riscados e substituídos pela certeza de momentos passados calmamente em casa na companhia dos filhos, sem o Pai R que está a trabalhar, das gatas, da Helga, de uns filmes, de uma ou outra série, de umas páginas soltas e de um novo projecto de crochet no colo. Comecemos então pelo crochet. Após ter terminado a segunda versão da manta white mountains comecei um xaile com um fio de algodão da Brancal, trabalhado com agulha nr.4. Já vai a meio caminho, mais uns pedacinhos de tempo e termino-o. O ponto deste xaile é já repetente nas minhas escolhas, gosto mesmo muito do efeito.
.
Leituras. No início da semana encontrei a Calm. Sabia da sua existência mas ainda não tinha tido a oportunidade para lhe pegar para a folhear e decidir se comprava. Comprei. Gostei das primeiras impressões quando a folheei. Uma revista muito cuidada, bom papel, bom grafismo, bom design, boa fotografia, títulos interessantes, cinco projectos DIYs, em suma, tudo parecia justificar o investimento. E mereceu-o, os conteúdos são interessantes, completamente direccionados a quem procura momentos de inspiração e bem-estar. Depois há a certeza de que perdurará na estante por muito tempo, de vez em quando lembramo-nos de um ou outro destaque que vimos e queremos voltar a ver, ou simplesmente porque procuramos uma leitura simples que nos inspire um estado de alma ou ajude a despertar sentidos. Não é uma revista para ler, é para ir lendo relaxadamente, na companhia de uma boa chávena de chá, ou café que é o que eu mais gosto de tomar. Do que já li tenho gostado bastante, gosto da forma como os artigos são comunicados, da escolha dos conteúdos, do facto de darem a conhecer uma montanha de projectos criativos, inspiradores e de qualidade indiscutível. Gosto dos destaques aos simples gestos que podem ajudar a viver momentos de enorme prazer e felicidade. Na verdade é bastante hygge. Apreciar os pequenos, simples e prazenteiros momentos da vida, aqueles que nos preenchem, que nos inspiram e que nos estimulam é a grande premissa desta revista. Acrescento ainda que lê-la é igual a fazer uma grande viagem pela web, a referência a sites e blogs acontece da primeira à última página. Embora tenha a plena consciência de que o target pensado para esta revista é vinte anos mais novo do que eu (sim, eu estou quase, quase a bater na metade de século... sempre que penso nisto continua a soar-me estranho, mas o facto é que estou quase lá) posso dizer que gostei desta edição 0 e que até me consigo identificar com um ou outro artigo, mas sem dúvida o que mais me seduziu foi a qualidade da edição, é linda e faz muito bem aos olhos. Sei que a nº1 já saiu em Abril, ainda não a tenho mas vou ver se a apanho. Se estou atrasada?... não, estou com calma :) 
.
Verdes. Esta semana vi nascer os primeiros rebentos de feijão verde na pequena sementeira que improvisei na minha varanda. Debato-me agora com a necessidade de os plantar no quintal mas a questão é que o canteiro que devia recebê-los está cheio de ervas daninhas, precisa de ser limpo e a terra de ser tratada para receber hortícolas. O Pai R tem estado ausente com trabalho fora da cidade... e eu preciso da ajuda dele para a limpeza do quintal, existem tarefas que exigem força máscula, como por exemplo arrancar algumas ervas daninhas que criam raízes que chegam a atingir os 50cm!!! basta chover e aí vêm elas a romper o solo cheias de força, mas com raízes tão grandes ou até maiores a trespassar a terra. Tudo o que sei é que os feijões têm de ir para a terra, caso contrário nunca vou saber o sabor que têm...
.
Realização. É certo que risquei dos planos de fim de semana idas à praia ou campo, que é como quem diz ir acampar, mas a verdade é que passei a tarde de sábado junto à praia... mas a trabalhar. Para mim trabalhar é motivo de grande satisfação, de realização pessoal e por norma também motivo de felicidade. O meu Lado A é igualmente ligado à criatividade, embora um outro universo que não este dos handcraft, muito mais exigente mas também muito apaixonante. Sinto-me privilegiada pelo facto de me ter sido possível escolher este meu caminho que percorro há já quase trinta anos... ui, já!!!???  
Da tarde de sábado, e porque não quero revelar esse meu outro lado, e aproveito para vos agradecer do fundo do coração o facto de respeitarem esta minha escolha, deixo-vos apenas uma imagem.
.
As bolas de sabão estavam por lá e adorei vê-las, eram enormes, bonitas e efémeras como grande parte dos projectos que desenvolvo no meu Lado A.
Tenham uma semana plena de bons momentos e sejam felizes.


Até já
Ana Lado B


sábado, 20 de maio de 2017

white mountains # nova versão e uma novidade!

sábado, 20 de maio de 2017
Mesmo antes de publicar este post fui visitar alguns blogs que sigo e não é que uma vez mais fui agradavelmente surpreendida pela Annemarie que me destacou na sua Link Your Stuff. Que forma extraordinária de começar o dia, fiquei tão feliz e com a certeza de que vou ter um fim de semana muuuuito inspirador! Muito obrigada querida Annemarie :)
E agora vamos lá ao novo post. Apresento-vos a nova versão da White Mountains com outras cores, excepto o branco das "montanhas" que se manteve.




.
O desenho foi criado por mim e quando o desenhei na quadricula gostei da sua simplicidade e simetria, assim como do facto de ter optado pela introdução do ponto de tapeçaria. Gostei tanto que sei que vou continuar a criar outras versões. E da primeira, lembram-se? 

.
Sabem,  não sou amiga da ideia pré-concebida do azul para meninos e do rosa para meninas, e muito menos de peças duma só cor, muito pálidas e sem contrastes. Tive três filhos e quando bebés vestiam, rapazes e rapariga, todas as cores sem preocupação se eram meninos ou menina. Agora, para simpatizantes da identificação de cores mediante o género da criança, podemos então dizer que a nova versão é para menina e a anterior para menino. Por mim está tudo bem, tanto me faz, gosto muito das duas versões e tanto as usaria para aconchegar a minha moçoila, como os dois manos moçoilos. Numa próxima faço uma versão daquelas do género é pró menino e prá menina e ficamos quites :)
E agora a novidade!
Associada a esta manta trago uma boa nova aqui ao blog: faço as white mountains por encomenda! Já várias vezes me encomendaram mantas, xailes, echarpes e até camisolas, no Inverno passado fiz uma em tricot para o pai R e foram várias as pessoas que me perguntaram se a fazia por encomenda... na altura tive de dizer que não. Nunca consegui ter o tempo organizado de forma a poder aceitar encomendas. O que normalmente acontece é fazer peças ao meu ritmo e de vez em quando lá vai uma ou outra para outras mãos porque as viram, gostaram e quiseram. Mas agora lá consegui organizar-me e ter uns tempos por semana para me dedicar em exclusivo ao meu Lado B. Resumindo e concluindo, já posso aceitar encomendas :) o problema será se começam a chover pedidos, até que não era mau mas... não vai acontecer, estes trabalhos não se compram como quem compra um pacote de arroz, se é que me faço entender, são manufacturados, levam o seu tempo a ser executados e têm o seu valor. Veremos o que aí vem... se é que vem. Bom, o que interessa saber é que estou disponível para aceitar as vossas encomendas e quem desejar obter mais informações sobre estas amiguinhas, peço então que me contactem pelo email, encontram-no na barra lateral do blog.
Por hoje é isto. Estou feliz com a minha nova manta e com o facto de me ter proposto a uma nova aventura. E de quem é a culpa de tudo isto? É vossa! que são pessoas lindas, que me visitam, que me apoiam, que me motivam e inspiram o meu dia-a-dia. A tod@s que por aqui passam um profundo agradecimento e um sorriso daqueles enormes.
Tenham um belo fim de semana e sejam muito felizes!


Até já
Ana Lado B

quinta-feira, 11 de maio de 2017

grinaldas e suculentas

quinta-feira, 11 de maio de 2017
Há umas semanas comprei uns novelos pequenotesSão novelos de 25gr em algodão mercerizado - Catona da Scheepjes. Quando os comprei não tinha nada pensado para eles, apenas os achei amorosos e não resisti a trazer algumas cores para casa. Trouxe treze cores escolhidas apenas pelo que os meus olhos ditaram no momento. Já em casa e deveras entusiasmada com o material novo, que é sempre sinónimo de felicidade aos molhos, coloquei-os em cima da mesa para os poder namorar. Olhei-os, fotografei-os, fiz conjuntos de cores, ordenei-os por tonalidades, põe um, tira outro, agora todos, agora só cinco cores, agora seis, agora doze... pronto, acabei por ver e vi grinaldas. Fi-las todas diferentes umas das outras, apenas algumas cores se repetem.  






.
Ah, pois é, não resisto a mostrar-vos as minhas suculentas, que crescem que nem doidas nos vasos e nos canteiros. E a hortelã também está maravilhosa, mesmo atrás do vaso do lado esquerdo. Sabem, a chuva pode aborrecer-nos nesta altura mas a verdade é que traz vantagens, perguntem às plantas se assim não é. O meu querido quintal está a precisar de mim ou melhor, dos meus mimos. Por agora deixo-o receber a chuva, depois hei-de lá ir eu.
Entretanto tenho já outros trabalhos terminados, por isso não tarda nada volto aqui.
De resto já sabem, sejam felizes!


Até já
Ana Lado B

segunda-feira, 24 de abril de 2017

my tapestry crochet

segunda-feira, 24 de abril de 2017
Andei entretida a desbravar novos caminhos no crochet e adorei a experiência. Embora a minha paixão por mantas, xailes e afins seja incondicional tenho a dizer-vos que precisei de sair da rotina. É como em tudo, precisamos de criar momentos que nos surpreendam para que a vontade e o sentido nunca nos baralhem. E junto a isso a sede de aprender novas técnicas ou de misturar cores, algo que faz parte do meu adn. Perco-me, é realmente um mundo que me fascina e se pudesse tinha um armazém de fios sempre à minha disposição para poder experimentar o que quisesse, quando quisesse. Era o delírio! Bom, mas dou-me por satisfeita por conseguir ir adquirindo as cores e fios que vou idealizando e ter uns quantos novelos sempre à disposição, vá, já se brinca. Desta vez andei a fazer umas experiências em crochet de tapeçaria. A técnica não é muito simples e pelo que já pesquisei existem várias formas de a aplicar. O que vos mostro é I did it my way, e embora ainda tenha muito a apurar, a verdade é que gosto muito do que me saiu das mãos. Ah, os desenhos e cores também foram idealizados por mim e os pauzinhos são do jardim que fica perto da minha casa, apanhei-os do chão... há sempre muitos.

.
Gosto tanto deste efeito imperfeito. Já tenho outros desenhos em estudo e em breve hei-de voltar à técnica, mas primeiro quero aprender mais sobre tapestry crochet. Aaaaahhh acabo de reparar que este último ficou de cabeça para baixo eheheheh. Só agora é que reparei, olha, siga!
E é isto por hoje, os meus últimos devaneios no crochet. Espero ter-vos inspirado e garanto-vos que me diverti bastante a executar estes novatos.
Desejo-vos um excelente feriado. Viva a Liberdade!



Até já
Ana Lado B


quarta-feira, 19 de abril de 2017

memo # dos dias que passam

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Tenho andado ausente, mas presente. Explico. Quando temos os filhos de férias da escola, tudo o que queremos é aproveitar o máximo de tempo com eles. Quando temos dias de sol, procuramos o ar livre. Quando temos uma actividade manual, temos de dedicar muito tempo à execução e experimentação. Quando temos um desejo ardente de fazer várias experiências ao mesmo tempo, o tempo nunca sobra. Quando temos uma actividade associada a um blog, momentos existem em que temos de escolher se blogamos ou praticamos. Quando temos de reflectir, reflectimos. Quando temos de fazer, fazemos. E eu estou na fase eu quero é fazer crochet e desfrutar do meu tempo e portanto o blog tem ficado um pouco relegado. Hoje fiz questão de passar por aqui só para vos deixar umas palavras e um cheirinho dos meus dias no Lado B.
.
Após esta espécie de estágio são tantas as partilhas que quero fazer no fazbemaosolhos. São muitas as novidades, a lista já vai longa e difícil vai ser conseguir organizar o plano de prioridades que quero ir destacando por aqui. Tudo a seu tempo. De uma coisa tenho a certeza, não quero que nada me escape. Volto em breve ;)


Até já
Ana Lado B



sexta-feira, 7 de abril de 2017

tamanho xl

sexta-feira, 7 de abril de 2017
Ou oito ou oitenta. Ora é XS, ora é XL, mas mesmo que em tamanho maior o que hoje vos mostro é muito rápido de ser feito. Nos últimos dias trabalhei ora com fios para agulha 3,5, ora com fios para agulha 12. Um bocadinho esquizofrénico, mas divertido. E o que fiz eu em tamanho XL? Um tapete de trapilho para o hall de entrada cá de casa. Não é o primeiro tapete que faço, já fiz outro, também redondo mas mais pequenino, com outro padrão e cores. Vejam-no aqui.
O tapete que fiz agora não está perfeito, longe disso, mas já me apercebi quais os erros que cometi. Contudo, considero que ficou tal como o imaginei no chão do hall. Na altura em que me decidi a comprar o trapilho estava indecisa no formato, acabei por optar por um redondo e idealizei um desenho muito, simples.
.
Andei a bisbilhotar na net alguns modelos e encontrei uns que são de tirar o chapéu, absolutamente lindos. Coitado do meu tapete, até que é simpático mas fica a léguas dos que vos vou mostrar a seguir. O certo é que fiquei com vontade de voltar a fazer um tapete de trapilho.
Todas as imagens que se seguem encontrei-as na net e estão identificadas.







É óbvio que  existem milhares de possibilidades, mas esta pequena selecção que fiz faz muito bem aos meus olhos. Digam lá, dá ou não dá vontade de fazer tapetes? Pois dá!
Desejo-vos um excelente fim-de-semana.


Até já
Ana Lado B


segunda-feira, 3 de abril de 2017

White Mountains - a manta de bebé

segunda-feira, 3 de abril de 2017
Após uma semana atribulada, passei o fim-de-semana em terras do sul. Tão bom! Estive com a família e com quase todos os amigos com que queria estar e volto lá muito em breve para matar ainda mais saudades. De regresso ao norte e ao blog tenho um trabalho novo para vos mostrar. Mas antes, sabem como é que dou nomes aos meus trabalhos de crochet? Acho que já falei disto por aqui, umas vezes encontro o nome quase de imediato, outras, tenho de terminar o trabalho, olhá-lo e deixar-me levar pelo que vejo e sinto, foi precisamente o que se sucedeu com este. Apresento-vos a nova manta de bebé fazbemaosolhos, a White Mountains. Sim, gosto do som do nome em inglês e por isso mesmo ficou. Pois, não tem nada a ver com as white mountains nos estados unidos, apenas olhei para a manta e vi montanhas brancas de neve, com um céu azul. A White Mountains já foi entregue à mamã do Dinis, que está quase, quase a nascer. A mamã ficou radiante com a manta e o Dinis com certeza que vai adorar sentir-se aconchegado.







.
Esta manta de bebé de tons muito suaves, que contrasta com noventa e nove por cento dos trabalhos que faço, onde por norma as cores são vibrantes e irrequietas, foi executada com fio Artic da dmc e mede 0,84 x 0,98, excelente para o berço, o carrinho ou até para o ovo. Estava eu a falar dos tons, sabem, apeteceu-me tanto experimentar um desenho com tons tranquilos, sou bem capaz de insistir e voltar a projectos do género.
.
A White Mountains em breve vai ficar disponível na loja on-line do fazbemaosolhos, prontinha a seguir viagem para quem a quiser. É bem provável que a irmã dela também apareça por lá, tenho-a pensada, só falta fazê-la.
E vocês, o que vêem quando olham para a nova manta de bebé fazbemaosolhos?
Tenham dias muito felizes!


Até já
Ana Lado B


domingo, 26 de março de 2017

tamanho xs

domingo, 26 de março de 2017
Ultimamente tem-me apetecido fazer trabalhos mais pequenos. As mantas continuam, claro, como vos mostrei na publicação anterior tenho algumas em desenvolvimento, mas trabalhos tamanho xs é o que me anda a apetecer fazer. Depois, as ideias não param (!) parece que nem cabem dentro da minha cabeça. Não consigo concretizá-las todas à velocidade que me surgem, mas fixar-me em trabalhos de pequena dimensão ajuda-me a experimentar uma série delas em curto espaço de tempo. Portanto, imagino a conjugação de cores, o padrão para as usar, dou à agulha e em pouco tempo surgem os resultados. As capas que fiz para os meus bancos são exemplo disso mesmo, projectos rápidos que me deixam satisfeita e me alegram os olhinhos, tudo conveniente. Claro que estou a fazer estes trabalhos e começo a imaginar mantas com estas cores... eheheheh, isto é muito difícil, acreditem que é.
.
Quem me segue no IG já viu a foto de cima. Ah! pois é verdade, o fazbemaosolhos já tem conta no instagram!!! Pois, eu sei, já não era sem tempo... mas as coisas são como são, há um tempo para tudo. Não gosto de pressas e tinha de sentir que era o momento.
.
Estas capas surgiram porque encontrei uma caixa cheia de novelos com estas cores fantásticas. Tenho-os há anos e não sabia por onde andavam, até que os descobri. Não resisto a material novo, dá logo vontade de desmanchar os novelos e começar a transformá-los. Foi o que fiz.

Este banquinho está na sala, aliás estão dois destes, e o outro em breve também será vestido. Comprei-os há muito tempo, quando os filhos eram pequeninos. De início tinham um quarto conjunto, estes bancos e uma pequena mesa faziam as delicias de dois miúdos que adoravam, e ainda adoram, pintar e desenhar. Os miúdos cresceram, a diferença de idades começou a sentir-se e decidimos dar um quarto a cada um. Os bancos e a mesa foram para a sala, sempre disponíveis para serem utilizados. Eu uso-os como repousa pés quando me sento no sofá a crochetar ou a ler. O pai R gosta de sentar-se nos bancos quando anda em pesquisas de volta dos dvds, ficando ao nível dos aparelhos, dá-lhe jeito. Por sua vez os miúdos gostam de regressar aos bancos e à mesa quando lhes apetece jogar jogos de tabuleiro. Portanto, enquanto os bancos tiverem utilidade estarão ali a fazer-nos companhia.

.
Este banco também comprei na Ikea. Já não existem, fiquei com pena de não ter comprado mais um ou dois na altura. Gosto muito dele, pelas formas simples e porque é de madeira natural. Dá uma bonita banqueta, ou uma mesa de cabeceira, ou uma pequena mesa de apoio, enfim, é versátil e por isso mesmo gosto muito dele. Cobri-o com um granny-square muito colorido e coloquei-o na minha sala. Aos poucos estou a ficar com uma sala bastante colorida. Espero em breve conseguir olhá-la e vê-la como a imaginei. O grande colorido está de volta como a grande tendência desta Primavera/Verão e à parte que me toca, adoro a ideia!
.
Em breve a pequena mandala transformar-se-à em mais uma capa de banco.Não, não vou fazer capas para todos os bancos que tenho cá por casa, mas que alguns as merecem, lá isso merecem. Além destes, consigo ainda imaginar mais um ou dois com capas.
Tenham uma semana cheínha de cor para colorir os dias cinzentos que não nos têm largado. Já agora, alguém sabe onde é que se meteu a Primavera?...


Até já
Ana Lado B



Faz bem aos olhos | Crochet - Crafts - Lifestyle © 2014